CAPÍTULO 38 - Do leitor semanário


 Às mesas dos irmãos não deve faltar a leitura; não deve ler aí quem quer que, por acaso, se apodere do livro, mas sim o que vai ler durante toda a semana, a começar do domingo.  Depois da Missa e da Comunhão, peça a todos que orem por ele para que Deus afaste dele o espírito de soberba.  No oratório, recitem todos, por três vezes, o seguinte versículo, iniciando-o o próprio leitor: "Abri, Senhor, os meus lábios, e minha boca anunciará vosso louvor";  e tendo assim recebido a bênção, entre a ler.  Faça-se o máximo silêncio, de modo que não se ouça nenhum cochicho ou voz, a não ser a do que está lendo.  Quanto às coisas que são necessárias aos que estão comendo e bebendo, sirvam-se mutuamente os irmãos, de tal modo que ninguém precise pedir coisa alguma.  Se porém se precisar de qualquer coisa, seja antes pedida por algum som ou sinal do que, por palavra.  Nem ouse alguém fazer alguma pergunta sobre a leitura, ou outro assunto qualquer, para que se não dê ocasião,  a não ser que o superior, porventura, queira dizer, brevemente, alguma coisa, para edificação.  O leitor semanário, antes de começar a ler, recebe o "misto" por causa da Comunhão e para que não aconteça ser-lhe pesado suportar o jejum;  faça, porém, depois, a refeição com os semanários da cozinha e os serventes.  Não leiam nem cantem os irmãos segundo a ordem da comunidade, mas façam-no aqueles que edificam os ouvintes.