CAPÍTULO 55  - Do vestuário e do calçado dos irmãos


 Sejam dadas vestes aos irmãos de acordo com as condições e temperatura dos lugares em que habitam  porque, nas regiões frias, tem-se necessidade de mais, e nas quentes, de menos.  Cabe ao Abade a consideração disso.  Cremos, porém, que, para os lugares de temperatura mediana, aos monges são suficientes uma cogula e uma túnica para cada um:  a cogula felpuda no inverno, fina ou mais usada no verão,  e um escapulário para o trabalho; para os pés: meias e calçado.  Não se preocupem os monges com a cor e qualidade de todas essas coisas, mas sejam as que se puderem encontrar no lugar onde moram e as que puderem ser adquiridas mais barato.

 Providencie o Abade a respeito da medida, para que estas vestes não fiquem curtas para quem as usa, mas de boa medida.  Os que recebem novas entreguem sempre, ao mesmo tempo, as velhas, que devem ser recolocadas na rouparia, para os pobres.  Basta ao monge possuir duas túnicas e duas cogulas, para a noite e para poder lavá-las;  o que houver a mais é supérfluo e deve ser cortado.  E devolvam também os calçados e tudo o que está velho, quando recebem os novos.  Os que são mandados em viagem recebam calças, da rouparia, e devolvam-nas lavadas, ao mesmo lugar, quando voltarem.  Suas cogulas e túnicas sejam um pouco melhores que as de costume; recebam-nas da rouparia e, voltando, restituam-nas.

 Como peças que guarnecem o leito, bastam uma esteira, uma colcha, um cobertor e um travesseiro.  Esses leitos devem ser freqüentemente revistados pelo Abade para que não haja ali coisas particulares.  E aquele com quem for encontrada alguma coisa que não recebeu do Abade, seja submetido a pesadíssimo castigo.  E para que este vício da propriedade seja amputado pela raiz, seja dado pelo Abade tudo o que é necessário,  isto é: cogula, túnica, meias, calçado, cinto, faca, estilete, agulha, lenço, tabuinhas, para que se tire a todos a desculpa de necessidade.  No entanto, considere sempre o Abade aquela sentença dos Atos dos Apóstolos que diz: "Era dado a cada um conforme precisava".  Assim, pois, considere o Abade as fraquezas dos que precisam e não a má vontade dos invejosos.  Mas, em todas as suas decisões, pense na retribuição de Deus.